Vitrine de Curiosidades /36
Livro de Cheques e Caderneta do Banco do Faial pertencentes ao Maestro Francisco de Lacerda
Edifício de São Francisco | Memórias, 5 de abril a 1 de maio
Não foi há muito tempo que deixámos de “passar cheques”; ou seja, de preencher documentos cedidos pelos nossos bancos, com os valores em algarismos e por extenso, os nomes completos de destinatários e as nossas assinaturas, para fazermos pagamentos mais vultosos. Contudo, muito provavelmente pela delicadeza do assunto envolvido, o dinheiro ou a (des)fortuna, estas formas de papel-moeda são raras no acervo dos museus. Daí o destaque dado a este Livro de Cheques e Caderneta do Banco do Faial, da Agência de Lisboa, com registos datados de dezembro de 1931 a julho de 1932, pertencentes ao espólio do maestro jorgense Francisco de Lacerda (1869-1934), que atualmente integra o Centro de Documentação do Museu de Angra do Heroísmo. Recorde-se que nos alvores dos anos 30 do século passado, Portugal saía de uma profunda crise económica e entrava na estabilidade de um regime ditatorial, animando-se com algumas expetativas de desenvolvimento, que se estampavam nos emblemas das instituições – neste caso, o caduceu e a foice, entrecruzados sobre a roda dentada, símbolos da indústria, do comércio e da agricultura, encimados pelo símbolo regional, o açor.