Vitrine de Curiosidades /33
Bica e Resguardo de Arquinha
Edifício de São Francisco | Memórias, 11 de janeiro a 9 de fevereiro
As arquinhas eram pequenos reservatórios de água alimentados a partir de um depósito maior, ou tanque de rega, localizado a cotas mais elevadas do que aquelas. Das arquinhas, enquanto depósitos intermédios, partiam condutas ou canalizações em barro que alimentavam chafarizes públicos e privados.
Em algumas paredes ainda subsistem arquinhas reconhecíveis pela porta metálica que se lhe punha para maior segurança e garantia de limpeza e potabilidade da água. Ao lado, ou próximo, era frequente estar uma bica de onde os passeantes ou moradores das redondezas se podiam abastecer. Algumas ainda podem ser encontradas pela cidade, mas ao tornarem-se obsoletas no sistema de distribuição de água, a sua função foi sendo esquecida. A peça apresentada, que integra a Unidade de Gestão de Espécies em Pedra do Museu de Angra do Heroísmo, é a bica e o respetivo resguardo de uma arquinha que foi retirada, em 1985, de um prédio na Rua da Pereira, em Angra do Heroísmo, no contexto da intervenção em grande parte dos imóveis da cidade que ocorreu no pós-sismo de 1980.