Vitrine de Curiosidades /25
Jambiya
Edifício de São Francisco | Memórias, de 4 de maio a de 1 de junho
A jambiya tem as suas raízes nos territórios do Sul da Península Arábica, atual Iémen (al-Yaman).
Constitui um dos mais proeminentes objetos da cultura iemenita, assumindo um significado social que transcende em muito a sua natureza como arma de gume ou adereço de vestuário.
Enquanto adaga, se bem utilizada, é uma arma temível. Porém, a partir da década de 1960, o seu uso, embora generalizado, remeteu-se à dimensão social e simbólica.
Este exemplar do tipo aseeb possui uma lâmina (nasla) larga, curva, a parte de dois gumes e com uma nervura central. O punho (ra’s) a parte mais relevante da Jambiya, aparentemente em “chifre” de rinoceronte, está em grande parte revestido com trabalho de filigrana em prata, predominando os motivos geométricos, combinados com apontamentos de inspiração fitomórfica. A bainha (asib) com decoração idêntica na face exterior, suspende do cinto (hizam) em tecido, com fios de algodão e de prata, seguindo também um padrão geométrico.
Esta jambiya integra a Unidade de Gestão de Militaria e Armamento do Museu de Angra do Heroísmo.