Histórias de Viagens
Balde

Este balde de madeira foi resgatado na ação de prospeção arqueológica subaquática realizada em 1996, na baía de Angra do Heroísmo. No seu interior, encontraram-se ainda espinhas de peixe, que confirmam que sempre, que as condições o permitiam, a pouco variada dieta de bordo era enriquecida com peixe fresco. A embarcação de onde é proveniente, designada por “Angra D”, encontra-se a 6,5 metros de profundidade, bem conservada sob uma espessa camada de pedras, que provinham do lastro, e de sedimento arenoso. Orientada no sentido E-W, paralela à linha de costa, o seu comprimento foi estimado em 35 metros, com uma largura máxima de 10 metros e mínima de 7 metros.
A tipologia da grande maioria das cerâmicas recuperadas, que aponta para uma cultura material hispânica de inícios de século XVII, bem como resíduos de mercúrio, oriundo da Espanha e destinado às minas no continente americano, permitiram concluir que se tratava de uma embarcação datada do século XVII, de origem ibérica, muito provavelmente espanhola.
A referida embarcação foi desmontada e transladada para fora do alcance das obras da Marina de Angra do Heroísmo, num outro local da mesma baía, integrando o Parque Arqueológico Subaquático de Angra do Heroísmo.
Esta peça é parte integrante da Unidade de Gestão de Arqueologia do MAH.