Histórias com Pólvora
Berço em ferro forjado

As primeiras peças de artilharia foram feitas em ferro forjado, construídos pela justaposição de barras de ferro longitudinais, consolidadas por aros de ferro transversais, mais ou menos próximos, conforme a robustez necessária.
Face às ameaças de piratas do Magrebe e Norte da Europa às rotas comerciais e às povoações da costa portuguesa foi, logo nos primórdios da artilharia, necessário armar com bocas-de-fogo algumas caravelas de baixa tonelagem (cerca de 80 a 100 tonéis) ditas de “guarda-costas”.
Pelo reduzido espaço a bordo e dadas as dificuldades associadas ao recarregamento pela boca destas peças, foram usadas preferencialmente peças de carregamento pela culatra. Os berços, bocas-de-fogo de pequeno calibre (7 a 10 cm), montados em pião (forquilha) nas amuradas destas embarcações, permitiam uma fácil pontaria, independente da manobra do navio. O carregamento pela culatra com câmaras pré-carregadas com pólvora assegurava uma elevada cadência de tiro que compensava largamente o seu pequeno calibre.
Esta peça integra a Unidade de Gestão de Militaria e Armamento e está patente na exposição de longa duração, Do Mar e da Terra... uma história do Atlântico.