Página inicial Caracterização Edifícios e Núcleos Exposições Colecções Espólios Serviço Educativo Edições Informações
Serviço Educativo
Oficinas para crianças e jovens
De terça a sexta-feira, das 9h30 às 12h30; das 14h15 às 17 horas.

Todas as atividades destinadas a público escolar ou instituições sociais são gratuitas, mas dependentes de agendamento prévio via telefone 295 240 800 ou através do e-mail (museu.angra.agenda@azores.gov.pt).
Visitantes HISTÓRICO Clique aqui para aceder a atividades anteriores
Dinamização das exposições temporárias Sábados no MAH
A Rainha e a Lavadeira
Nesta visita à exposição Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico, vamos mostrar como a arte que surge primeiro associada à afirmação do estatuto social, através de grandes retratos de aparato, se torna no século XIX num mecanismo de denúncia social, dando conta das difíceis condições de vida do povo. Para isso, vamos olhar de perto as duas admiráveis pinturas do naturalista Souza Pinto, agora depositadas no MAH.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária.
 
Quando a tinta não vinha em tubos
Nesta atividade, exploram-se algumas telas presentes na exposição Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico, de modo a abordar a evolução registada na história dos materiais e técnicas usadas na pintura.
É dada especial atenção à preparação das tintas, usando pigmentos naturais, dos quais são dados variados exemplos. Finalmente, procede-se ao fabrico de tinta vermelha, usando “sangue de dragão” (resina de dragoeiro), a qual será usada para decorar marcadores de livros.
Público-alvo: 2.º ciclo e 3º ciclos.
 
As Cores da Terra
Mediante a exploração de uma maleta pedagógica criada pelo Serviço Educativo do Museu de Angra do Heroísmo, dá-se a conhecer a importância da exportação do pastel e da urzela para a economia do arquipélago dos Açores nos séculos XVI e XVII . Através de amostras e ilustrações, demonstra-se o processo inerente ao tingimento com estas plantas tintureiras, evidenciando-se a importância da cor em termos da hierarquia social.
Público-alvo: a partir do 2º ciclo
Cavaleiros, unicórnios e damas de chapéu em bico
Serviço Educativo do Museu de Angra do Heroísmo, 9 de fevereiro, 14h00/17h00
Os unicórnios, assim como os cavaleiros e as princesas de chapéu em bico são personagens populares do imaginário infantil, cujo fundamento histórico e lendário remonta à Idade Média. Nesta visita-oficina, vamos analisar reproduções gráficas de tapeçarias e também olhar de perto para algumas das peças da Coleção de Militaria do Museu de Angra do Heroísmo para dar a conhecer um pouco da história e muitas histórias deste tempo que ainda hoje inflama a imaginação de crianças e adultos. Depois, vamos desenhar o nosso brasão de armas e criar um escudo à maneira dos cavaleiros medievais.
Participação gratuita limitada a 10 crianças a partir dos 5 anos
Inscrições através do telefone 295 240 800 ou do mail museu.angra.agenda@azores.gov.pt
 
Biodanza
Serviço Educativo do MAH, 23 de fevereiro, 10h00/13h00, 14h30/17h30
A Biodanza é “um sistema de integração humana, renovação orgânica, reeducação afetiva e reaprendizagem das funções originárias da vida. A sua metodologia consiste em induzir vivências integradoras através da música, do canto, do movimento e de situações de encontro em grupo”. Como tal, tem como objetivo principal a expressão e integração da identidade, o que surge dentro de um processo baseado numa prática regular.
Facilitador: Elmo Sandoval.
Público-alvo: aberto a todos.
Inscrições através do telefone 295 240 800 ou do e-mail museu.angra.agenda@azores.gov.pt.
Custo por sessão: 20 € pagos ao formador.
 
Alfabeto do Corpo | classe de sensibilização teatral
Serviço Educativo do MAH, 2, 9, 16, 23 de fevereiro, 11h00/12h30
O Despertar dos Sentidos com o Alfabeto do Corpo é uma classe de sensibilização teatral para crianças que tenham curiosidade em se exprimir através das artes cénicas de uma forma geral e através do teatro em particular. É um curso de estímulo à criatividade e ao desenvolvimento de competências dramáticas/teatrais básicas a três níveis: interpretação, corpo e voz.
Procura-se que os participantes experimentem a expressão teatral como forma de expressão individual, mas também grupal. No teatro é essencial a consciência do todo. O grupo é o lugar do encontro, onde as pessoas se tocam numa profunda realização criativa/expressiva, mas também afectiva e social.
Formador: António Braga, ator profissional e professor
de expressão dramática no Ensino Básico.
Público-alvo: crianças entre os 7 e os 12 anos.
Inscrições através do e-mail museu.angra.
agenda@azores.gov.pt.
Mensalidade de 20 € pagos ao formador.
Material Pedagógico

Catálogo de motivos de cerâmica e azulejos.
PDF, 9.88Mb
  Circuito pedestre pela zona classificada de Angra do Heroísmo: instruções, percursos, fichas de atividades
Actividades Permanentes
Dinamização da exposição Do Mar e da Terra ... uma história no Atlântico
As cores da terra
Nesta oficina, recordar-se-á a importância da exportação do pastel e da urzela na economia açoriana, nos séculos XV e XVI, serão explicados os princípios básicos da tinturaria tradicional com corantes vegetais e realizados tingimentos, recorrendo a plantas tintureiras.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária.
Terra à Vista
Através de pequenas narrativas, jogos de exploração e atividades lúdicas, pretende-se que os mais novos percecionem a influência dos descobrimentos na conceção do mundo, se inteirem da vida a bordo de naus e caravelas e avaliem o esforço e engenho inerente ao processo de povoamento das ilhas.
Atividade em ateliê (facultativa): elaboração de marinha.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária.
Chá, uma história para despertar
Imperadores, monges, princesas, aventureiros e homens de negócio são personagens da história daquela que é uma das bebidas mais populares do mundo e cuja preparação, hoje reduzida a um ato rotineiro, constituía um autêntico ritual. No Serviço Educativo do Museu de Angra do Heroísmo, vamos contar a história do chá e depois apreciar alguns objectos de cerâmica e mobiliário patentes na exposição Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico que demonstram o requinte e a elegância dos convívios que tinham o chá como protagonista.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária.
       
Pistas | Jogo de descoberta
Através da observação, consulta de legendas e de outros elementos de museologia existentes nos diferentes momentos da exposição Do Mar e da Terra... uma história no Atlântico, os visitantes ficarão a saber mais sobre sete peças mistério a desvendar num jogo de descoberta empolgante e divertido.
Público-alvo: 1º e 2º ciclos
Dragões de cedro
Nesta atividade exploram-se imagens de caixas e escritórios em madeira de cedro com decoração incisa e especificam-se as caraterísticas destes fabulosos móveis fabricados nos Açores, nos séculos XVI e XVII.
Público-alvo: a partir do primeiro ciclo
Visita régia
Era uma vez um rei e também uma rainha que, há exatamente 111 anos, estiveram na Terceira.
Ele chamava-se Carlos e ela Amélia.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária
Açores no Mapa
Visita orientada e ateliê realizados no âmbito de um projeto escolar intitulado: “Açores no Mapa” por parte da Creche e ATL Olhar Infantil Vila Nova.
Observando os muitos mapas que constam da exposição “Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico”, ficamos a conhecer as diferentes representações que foram sendo feitas das ilhas dos Açores, vemos onde se fixaram os primeiros povoadores e aprendemos a distinguir naus de caravelas.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária
Castelos de Angra
Visita orientada e ateliê realizados no âmbito de um projeto escolar intitulado
“Castelos de Angra” por parte da Creche e ATL Olhar Infantil Fontinhas.
Visita orientada ao 2º momento da exposição de forma a compreender a alteração na estratégia de defesa que levou a que fosse abandonado o Castelo dos Moinhos e se optasse por construir o Forte de São Sebastião e posteriormente a Fortaleza de São João Baptista, complementada com a construção de uma fortaleza de brincar e/ou uma visita à Memória.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária
Os Reis do MAH
E se a partir dos presépios do museu pudéssemos contar a visita dos Reis Magos? Que lugares e pessoas terão encontrado na sua viagem? Que transportes terão utilizado? Porque são 3 os reis magos e porque viajaram de tão longe para ofertar estranhas prendas a um recém-nascido? Que presentes terão levado ao menino? Que estrela os guiou? E porque é que Baltazar usa turbante, Gaspar é negro e Belchior velho?”.
Este ateliê desenvolve-se partindo da observação de várias representações da adoração dos magos e da natividade, algumas delas pertencentes ao espólio do Museu de Angra do Heroísmo e que pertencem à exposição “ Do Mar e da Terra – Uma história no Atlântico”.
No final, vamos construir Reis Magos com recurso a materiais reciclados.
Público-alvo: pré-escolar e 1º ciclo
       
Em viagem com o coelhinho de Dacosta
Há um coelhinho perdido no claustro do MAH. Com a ajuda dos meninos, terá de reencontrar o caminho para a sua ilha encantada, viajando pelo interior das telas deste pintor terceirense, num percurso mesmo muito atribulado. Uma vez terminada a viagem, vamos visitar A Menina da Bandeira" que mora connosco no MAH.
Público-alvo: Pré-escolar e 1º escolar
A Tribo no MAH
Através de pequenas narrativas, jogos de exploração e actividades lúdicas, pretende-se que os mais novos percepcionem a influência dos portugueses, enquanto potenciadores do encontro com povos e culturas até então desconhecidas.
Fazer Pose
Tirar uma fotografia é hoje um ato comum e quase compulsivo, através do qual registamos ações do quotidiano e eternizamos os rostos daqueles que nos cativam.
Público-alvo: pré-escolar, primeiro e segundo ciclos
           
Pastel de Tinturar
Sementeira de pastel na horta do Museu, seguida de visita à 2.º Momento da exposição Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico, em que se aborda o ciclo do pastel.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária
Terceira Liberal
Apresentação em powerpoint dos principais momentos que, na Terceira, marcaram o período conturbado das Lutas Liberais (1820-1834) e destaque das personalidades cuja ação se revelou fundamental para o sucesso da causa liberal.
Público-alvo: 2.º e 3º ciclos
Cadeirinhas, Pó de Arroz e Moscas de Veludo
Vamos viajar até ao século XVIII, para perceber como se vestiam, maquilhavam e conviviam as damas e cavalheiros, que se faziam transportar em cadeirinhas, liteiras, seges e traquitanas,
como as que integram a Coleção de Transportes do MAH.
Depois, convenientemente maquilhados e adornados, fazemos um retrato à maneira setecentista.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária
       
Sobre Rodas 
Visita orientada centrada nos aspetos dos veículos expostos Reserva Visitável de Transportes de Tração Animal dos Séculos XVIII, que mostram a evolução dos transportes, a sua funcionalidade e o estatuto social dos seus possuidores. A mesma é complementada pelo comentário à liteira e cadeirinhas que integram a exposição Do Mar e da Terra... uma história no Atlântico.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária.
Mar Nosso
Afonso Baldaia, navegador do Infante D. Henrique, um dos primeiros a dobrar com Gil Eanes o Cabo Bojador e um dos primeiros povoadores da Terceira, inspira este ateliê, em que se visitam os dois momentos iniciais da exposição Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico e se percebe como os descobrimentos portugueses vão originar uma nova conceção do mundo.
A Ver Navios
Naus e caravelas foram duas das embarcações usadas pelos portugueses nas viagens de descoberta e depois na consolidação do império ultramarino, nomeadamente na Carreira das Índias. Uma análise dos modelos que integra a exposição “Do Mar e da Terra… uma história no Atlântico” permite ficar a conhecer melhor as suas características.
Depois, em ateliê, constrói-se uma moldura em 3D com temática marinha.
 
Dinamização de outras exposições de longa duração e reservas:
Teias: da ovelha ao tear
Neste ateliê, ficamos a conhecer o processo tradicional de tratamento da lã. Cardamos, fiamos, dobamos e depois aprendemos como funciona um tear. No Serviço Educativo, temos um em que podes experimentar a tecer e verificar como era cansativa e exigente a tarefa das tecedeiras. Mas como tecer é, afinal, entrelaçar fios, vamos recorrer a lã e a palhinhas e fazer uma pulseira para levar para casa.
Público-alvo: Adaptável em função da faixa etária
Histórias aos quadradinhos
Os azulejos são uma forma de revestimento prática, colorida e durável que integra o quotidiano de todos nós. Contudo, os azulejo portugueses são também, há mais de 5 séculos, suportes para expressão artística, assumindo, a par da sua utilidade, uma especial relevância em termos estéticos, cenográficos e narrativos. Nesta visita a vários espaços do Edifício de São Francisco e Igreja de Nossa Senhora da Guia, vamos descobrir as muitas historias que os azulejos do MAH têm para contar.
Público-alvo: 1º, 2º e 3º ciclos
A traquitana da Cinderela
Análise das particularidades das seges e traquitanas expostas na Reserva Visitável de Transportes de Tração Animal dos Séculos XVIII e XIX, recorrendo à dramatização da história da Cinderela. Construção de uma traquitana, recorrendo à reutilização de materiais. 
Dinamização da Reserva Visitável de Transporte de Tração Animal dos Séculos XVIII e XIX.
           
Eu vou de Sege
Análise das caraterísticas de cadeirinhas e liteiras e contextualização da sua utilização, recorrendo a adereços e réplicas improvisadas e a uma visita à exposição "Do Mar e da Terra", que além de exemplares destes meios de transporte inclui retratos e trajes da época. Comparação entre a sege e a traquitana, também do século XVIII, e o "Charabã", as Vitórias e os Landaus já do século XIX, mediante visita à Reserva de Transportes de Tração Animal dos Séculos XVIII e XIX.
Os irmãos de Francisco
Visita guiada à igreja de Nossa Senhora da Guia e ao coro alto, onde figuram azulejos alusivos à vida de São Francisco de Assis.
- Narração da biografia de São Francisco e das diversas lendas a seu respeito em que figuram animais
- Construção de azulejos, usando carimbos.
Público-alvo: pré-escolar e 1º Ciclo
Retratos a Gema de Ovo
Ao longo do tempo, poucos foram os artistas que resistiram a auto-retratar-se, servindo-se muitas vezes de objetos, flores ou animais para nos dar a conhecer os seus interesses e características. Neste ateliê, propomos que cada criança pinte o seu auto-retrato, considerando simultaneamente os seus principais traços físicos e psicológicos. Para tornar ainda mais interessante este desafio, o retrato é executado a têmpera, ou seja, misturando gema de ovo com pigmentos naturais como faziam os grandes mestres.
Público-alvo: adaptável em função da faixa etária
       
A Minha Família é uma Árvore Às Armas
Visita orientada à exposição
Uma Bataria de Artilharia Schneider-Canet nos Açores
Público-alvo: 3ª ciclo
Tesouros do Barroco Tesouros do Barroco
Espaço museológico Igreja de Nª Srª da Guia
Público-alvo: 2º Ciclo, 3º.Ciclo e Secundário
       
        Núcleo de História Militar Manuel Coelho Batista de Lima
Visitas orientadas para grupos escolares ou outros são realizadas às quintas-feiras, das 14h00 às 17h00, mediante inscrição prévia através do telefone 295 240 800 ou do mail museu.angra.agenda@azores.gov.pt
Brincar aos Artistas
Ateliê Claude Monet
Público alvo: pré-escolar e 1º ciclo
Ateliê Picasso - A Paz
Público-alvo: Pré-escolar
       
Ateliê Arcimboldo - as 4 estações
Ateliê Andy Warhol: Os meninos são de todas as cores
Público alvo: pré-escolar e 1.º ciclo
Outras atividades
Ver-se Grego II
As máscaras tiveram desde sempre uma função cénica, representando traços de carácter definidores de personagens alegóricas ou tipos sociais. Neste ateliê, elaborado a pedido dos professores de História da EB2 de Angra do Heroísmo, recriamos máscaras usadas no teatro grego.
Público-alvo: 2.º ciclo
Museu Verde Museu Verde
adaptável em função da faixa etária
Desenho livre
         
Ateliê de Expressão Plástica | Decoração de Molduras
Ateliê organizado em colaboração com a Escola Secundária Jerónimo Emiliano de Andrade.
Público-alvo: 3.º ciclo.
Dinossaurios no sótão I
Público alvo: pré-escolar e 1.º ciclo
   
Informações:
Visitas guiadas e frequência de ateliês, mediante marcação prévia
via telefone 295 240 809 ou através do email museu.angra.agenda@azores.gov.pt
Coordenação:
Ana Lúcia Almeida
(ana.ls.almeida@azores.gov.pt)
Museu Júnior
2007 © Museu de Angra do Heroísmo. Todos os direitos reservados. Última actualização a 10.02.2019